Principal Artigos Reparos Como Comprar Quem somos Links Contato Atualizar cadastro
Procurar

Catálogo
Novas Adições (36)
Canetas Reservadas e Vendidas (22)
Catálogos (2)
Desk Sets e Dip Pens (8)
Esterbrook (15)
Faber-Castell (4)
Faber-Castell - Lapiseiras (21)
Faber-Castell - Duos (6)
Faber-Castell - Esferos (29)
Lapiseiras - Minas - Outros (14)
Lapiseiras PRO - 2,0mm (15)
Lapiseiras PRO - 5,6mm (16)
Lapiseiras Profissionais (21)
MontBlanc (14)
Outras (22)
Parker 51 (11)
Parker 21, 41 e 45 (7)
Parker Duofold (13)
Parker 61, 65 ,75 e Outras (28)
Parker Jotter (13)
Parker Vacumatic (7)
Pelikan (23)
Sheaffer Anos 30 (4)
Sheaffer Anos 20 (6)
Sheaffer pós 1940 (29)
Sheaffer Snorkel (5)
Waterman (10)

Adicione este site aos Favoritos

Notícias

Leia na Seção Artigos: A tinta para canetas-tinteiro
Outras Notícias

Carrinho de Compras


Cadastro
Checar Pedido

Artigo

A Pena da Caneta-Tinteiro

A pena é o coração da caneta tinteiro. Penas de qualidade são feitas a partir de lâminas de ouro de 14 ou 18 quilates que depois de prensadas tomam a sua forma clássica. 
A ponta da pena é feita de Iridio, um metal da família da platina, que tem como característica fundamental a sua consistência e dureza. O iridio é soldado na pena de ouro, que depois, é polida. 
As penas são submetidas a numerosos testes mecânicos e ópticos em cada estágio de sua produção. São colocadas por 24 horas em um tanque com água em rotação e polidas por milhares de pequenas partículas de porcelana. Este processo elimina qualquer tipo de rugosidade e ao final é dado um polimento com esferas de cobre. 
Depois de mais de 30 operações de alta precisão, a pena está quase pronta para uso, faltando apenas o último dos testes: a sua performance escrevendo. Isso é feito manualmente, uma a uma, e onde através da reprodução de vários circulos que se parecem com o número 8 pode-se observar a sua suavidade e inteireza. 
 
A flexibilidade de uma pena 
 
Um item muito importante para a escolha de uma boa pena é o conhecimento de sua flexibilidade que depende fundamentalmente dos seguintes quesitos: 
 
- conteúdo de ouro 
- dureza da pena 
- forma construtiva 
- distância entre a tomada de ar e a ponta da pena 
- tamanho da tomada de ar. 
 
 
A flexibilidade aumenta com o teor de ouro, menor dureza da pena, menor distância entre a tomada de ar e a ponta e o aumento do tamanho da tomada de ar. 
 
Ao longo de muitos anos de colecionaismo aprendemos que a melhor forma de testar a flexibilidade de uma pena é a técnica do “dedão” aprendida com experientes colecionadores. 
 
A técnica é fácil, pois basta colocar a ponta da pena no polegar e apertar. Se a pena for rígida as hastes da pena abrirão muito pouco, se for semiflexível um pouco mais e se flexível, abrirão da forma como pode ser observado na foto a seguir: 
 
 
 
A pena usada para o teste é uma Waterman nº 7, pink, flexível. Essa pena que é fina, ou seja, tem uma largura no irídio de 0,6mm, com o aperto ela se torna uma pena com um traço de 1,6mm, ou seja, mais de 160% que o seu traço original.  
 
Tipos de Penas  
 
Além da flexibilidade é importante também conhecer o tipo de pena que melhor se adequa a nossa empunhadura e traço que desejamos. Normalmente se tem em mente apenas as bitolas fina, média ou grossa, mas há uma variedade grande de tipos de pena que variam de fabricante para fabricante. Uma pena fina de um determinado fabricante não tem necessariamente o mesmo traço que uma pena fina de outro fabricante. 
Para exemplicar, com base no catálogo de 1938 da Parker original em português, editado para comemorar o seu quinquagésimo jubileu, há uma tabela que reproduzimos a seguir e que aparecerá com mais nitidez se clicado sobre ele: 
 
 
 
É importante observar que foram 14 os tipos de penas fabricadas pela Parker em 1938, sendo 7 rígidas e 7 flexíveis. Tanto o quadro relativo às penas rígidas quanto o das flexíveis há uma divisão em vermelho entre as penas extrafina, fina e média e as outras. A Parker explica que 95% das penas fabricadas são exatamente nessas bitolas e os outros 5% se referem às penas consideradas especiais e que se encontram dentro dos quadros em azul. 
 
O catálogo da Sheaffer de 1949 traz 16 tipos diferentes de penas do tipo Triumph, cuja tabela é reproduzida a seguir: 
 
 
 
Observe que a a Sheaffer produziu inclusive uma pena específica para os músicos.  
 
De uma forma geral a largura da pena no irídio para as canetas vintage de origem americana, eram: 
     
  • Agulha – 0,4mm 
  • Extrafina – 0,5mm 
  • Fina – 0,6mm 
  • Média – 0,8mm 
  • Grossa – 1,0mm 
 
Quando são comparados os traços das canetas vintage com as canetas modernas constata-se que estas para uma mesma bitola são mais grossas que as vintage. 
 
Por exemplo as canetas Montblanc e Pelikan atuais e outras de origem européia apresentam largura de irídio conforme a seguir: 
     
  • Extrafina – 0,6mm 
  • Fina – 0,8mm 
  • Média – 1,0mm 
  • Grossa – 1,2mm 
  • Extra grossa – 1,4mm 
  • Special – 1,6mm 
 
Nas canetas de origem asiáticas como Pilot-Namiki, Platinum e Sailor continuam predominando as penas finas com 0,6mm de largura de irídio. 
 
Importante ainda salientar é que quanto mais fina é a pena, mais ela arranha.  
 
Finalmente, mas não menos importantes que a escolha da caneta e pena adequadas, são a escolha da tinta e do papel em que se vai escrever. Com tinta e papel ruins, o melhor mesmo é usar uma esferográfica. 
 
Star Fountain Pen - julho de 2002 e maio de 2010  
 
 
 
StarFountainPen.com.br ©2002-2014 - www.starfountainpen.com.br